foto de um estetoscópio e de uma caneta sobre uma planilha | Plano Municipal de Saúde de Londrina | Blog da ALIA

Plano Municipal de Saúde de Londrina 2018-2021 e a Aids na cidade em números

Aprovado em 12/07/2017 em reunião do Conselho Municipal de Saúde, o Plano Municipal de Saúde de Londrina estabelece as diretrizes para a gestão da saúde entre 2018 e 2021.

Fizemos um recorte em alguns trechos do Plano Municipal de Saúde de Londrina com relação aos dados e números da Aids, HIV, IST, hepatites virais, testes e demais ações de prevenção e parcerias realizadas na cidade.

Merecem destaque as páginas 73, 76, 77 e 78 do Plano Municipal de Saúde de Londrina.

Neste trecho da página 73 (abaixo), são detalhados o número das unidades que continuam ofertando teste rápido, número de novos testadores formados, participação em capacitações, cursos, parcerias institucionais, entre outras informações:

IST, HIV / AIDS e Hepatites Virais

Durante o ano de 2016 manteve-se o número de unidades ofertando teste rápido (em média 40 unidades). Foram formados 40 novos testadores entre enfermeiros e auxiliares de enfermagem. Em abril, houve a participação na capacitação: “Formação de Multiplicadores em IST” realizada em Porto Alegre, organizada pelo Ministério da Saúde, que resultou em um convite para participação em um Curso Rápido de Vigilância Epidemiológica (CRVE), realizado em setembro no município Curitiba, com ênfase na prevenção, controle e redução de transmissão vertical da sífilis e HIV. Diante destas capacitações, houve a necessidade de formação de Grupo Técnico em Infecções Sexualmente Transmissíveis no Município para organização e planejamento de ações, em conjunto com a Equipe do Observatório de Sífilis, foi elaborado protocolo Abordagem do HIV/Aids e outras infecções sexualmente transmissíveis na Atenção Básica (AB)” organizado em parceria: Diretoria de Serviços Complementares em Saúde (DSCS), Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Diretoria de Ações Primária em Saúde (DAPS), com o apoio de outras diretorias e instituições parceiras. Este foi lançado em cerimônia oficial no dia 07 de dezembro, no Campus da Universidade Estadual de Londrina.” (grifo nosso)

Nas páginas 76, 77, e 78, o Plano Municipal de Saúde de Londrina detalha a prevenção combinada, os testes rápidos, a meta 90/90/90 do Ministério da Saúde para controle da epidemia e apresenta números das IST/HIV/Aids em Londrina em 2016.

São apresentados números gerais da Aids em Londrina desde 1985 e a estimativa do total de casos de acordo com cálculos do Ministério da Saúde. (acesse o Plano Municipal de Saúde de Londrina na íntegra aqui)

Foram divulgadas também as ações de prevenção em relação ao HIV e à tuberculose e as parcerias realizadas.

Segue trecho abaixo (páginas 76, 77 e 78):

“Centro de Referência Dr. Bruno Piancastelli Filho (CRBPF) Atenção à Saúde nos Problemas de IST/ AIDS/ Tuberculose e Hepatites Virais

A terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), segundo o Ministério da Saúde, passa a ser adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas. Portanto, a prevenção combinada abrange o uso da camisinha masculina ou feminina, ações de prevenção, diagnóstico e tratamento das IST, testagem para HIV, sífilis e hepatites virais B e C, profilaxia pós-exposição ao HIV, imunização para HPV e hepatite B, prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatite B, tratamento antirretroviral para todas as PVHA, redução de danos, entre outros. Logo o Teste Rápido para o HIV é um importante meio de contenção da epidemia, e a medicação tem avançado para o controle do vírus com efeitos colaterais mais brandos, mas o principal meio de prevenção é o uso do preservativo e a informação.

O Ministério da Saúde em 2014 assumiu a meta 90/90/90 para o controle da epidemia até 2020, que consiste em ter 90% das pessoas com HIV diagnosticadas; deste grupo, 90% seguindo o tratamento; e, dentre as pessoas tratadas, 90% com carga viral indetectável. A meta mundial prevê novas infecções limitadas a 500 mil ao ano e zero discriminação. Dados de IST/HIV/AIDS referente ao ano de 2016:

  • 267 pacientes iniciaram o tratamento no Ambulatório do Centro de Referência em 2016. (período: 01/01/16 a 22/11/2016)
  • Realizados 160 atendimentos para profilaxia pós-exposição sexual (PEP). (período: 01/01/16 a 22/11/2016)
  • As UBS encaminharam 143 pacientes para atendimento na especialidade de ginecologia para tratamento das diferentes IST. 01/01/16 até fevereiro/2016 - período em que o médico ginecologista se aposentou.
  • Realizados 730 atendimentos de pacientes encaminhados das UBS para a especialidade de urologia para tratamento das diferentes ISTS. (período: 01/01/16 a 22/11/2016)
  • Testes Rápidos no Centro de Referência Dr. Bruno Piancastelli Filho – CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento): 1965 destes 92 positivos para HIV. Sendo que 84 masculinos (27 na faixa etária de 20 a 24 anos) e 8 femininos.(período: 01/01/2016 a 22/11/2016). No período de 1985 a outubro de 2016 foram notificados 3.797 casos de Aids em Londrina. Vale lembrar que o Ministério da Saúde calcula que para cada caso de Aids diagnosticado há 5 (cinco) pessoas infectadas com o HIV que desconhecem essa condição.

Portanto, em Londrina estima-se a quantidade de 18.985 pessoas vivendo com o HIV e desconhecem essa condição. 

Em comemoração ao Dia Mundial de Luta contra a Aids foi realizado nos dias 1º e 2 de dezembro o II Fórum da Região de Londrina de Prevenção em IST/Aids e a 1ª Mostra de Experiência em IST/Aids/Tuberculose/Hepatites Virais em Londrina (PR). Com o objetivo de promover a melhoria da promoção à saúde e a prevenção das infecções sexualmente transmissíveis, o Fórum teve a realização de palestras e apresentação de trabalhos de entidades da sociedade civil. O Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, no painel “Avanços e Desafios nos 35 anos da Aids no Brasil”, apresentou as mudanças nos dados epidemiológicos no decorrer dos anos, e também houve uma apresentação sobre o panorama da aids na juventude. Na ocasião, foram apresentados dados relacionados à infecção pelo HIV nas faixas etárias no público jovem, com destaque para o aumento na taxa de detecção nos jovens do sexo masculino com idade entre 20 e 24 anos.

A equipe do ambulatório de Tb durante o primeiro semestre de 2016 realizou ações na Penitenciária Estadual de Londrina (PEL) na tentativa de romper a cadeia de transmissão dos casos de Tuberculose Pulmonar detectados no início do primeiro semestre. Para isso, foi elaborado um grupo de trabalho envolvendo os servidores do Centro de Referência de Tuberculose da PML a 17ª Regional de Saúde e a Gestão da PEL. As ações consistiram em:

  • Investigação de casos de óbito decorrentes de complicações pela tuberculose;
  • Reunião com chefia da Vigilância em Saúde e CRBPF Londrina para explicar situação instalada e solicitar apoio;
  • Reunião com complexo médico penal de Curitiba;
  • Visita e reunião com equipe de saúde e diretoria da PEL para determinar as medidas a serem tomadas;
  • Reunião com Comissão de Direitos Humanos, vereadores e Promotoria Pública;
  • Sensibilização da PPL e demais integrantes da comunidade carcerária sobre importância da identificação precoce dos casos e em relação à doença com palestras relacionadas ao tema;
  • Rastreamento em massa com teste rápido para tuberculose no escarro em todos os casos de tosse (casos positivos iniciar tratamento e casos negativos a realização de RX de tórax);
  • Avaliação dos contatos dos casos diagnosticados de tuberculose e oferecer teste anti-HIV encaminhar para atenção primária os contatos domiciliares;
  • Fazer Tratamento diretamente Observado até o final do tratamento para todos os casos; acompanhamento das ações com visitas de monitoramento local pelos técnicos da décima sétima regional e CRBPF Londrina; Foram realizadas seis visitas na PEL durante o primeiro semestre pelo Centro de Referência e rastreados 43 detentos de março a junho de 2016.

Parcerias:

  • Secretarias: Idoso, Políticas para Mulheres e Assistência Social;
  • Comuniaids; ONGs: Núcleo de Redução de Danos, Grupo de Mulheres Positivas, REPARE, Grupo de Ajuda Mútua, Grupo ElityTrans, ALIA e Casa de Maria; 

  • Universidade Estadual de Londrina e PUC-PR;
  • Sistema Penitenciário: PEL, PEL II, Casa de Custódia.”

Representantes da ALIA estão em constante contato com o poder público local para cobrar a efetivação das políticas públicas de saúde em Londrina. Temos muito trabalho pela frente, conforme demonstrado no Plano Municipal de Saúde de Londrina. 

Semana passada estivemos em reunião com o Promotor de Defesa da Saúde Pública de Londrina, Paulo Tavares. Entre outros assuntos, foram debatidas soluções e a criação de um grupo de discussão que irá propor ações práticas para a efetivação das políticas públicas locais e para a ampliação das ações de prevenção.

Essa reunião foi fruto da última Audiência Pública sobre o aumento dos casos de Aids entre jovens, realizada na Câmara no mês passado. A ALIA participou da mesa e ajudou a articular o debate.

O pauta da nossa reunião com Paulo Tavares será tema de um próximo post, fique ligado!

Continuaremos vigilantes e atuantes, sempre em prol dos direitos humanos. A ALIA é linha de frente na defesa da saúde pública de qualidade, da quebra de preconceitos e da ampliação do acesso à saúde a toda população.

Quer ajudar a ALIA? Clique aqui.

Para acessar o Plano Municipal de Saúde de Londrina 2018-2021 na íntegra, clique aqui.

Posted in Uncategorized and tagged , , , , , , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *